Migrar serviços para a Nuvem é um grande desafio para as empresas e profissionais de TI. A mudança da estrutura de TI de uma empresa para a tecnologia em nuvem implica em riscos ainda não conhecidos e geram barreiras para muitos projetos, além dos investimentos necessários. Como sempre, a tomada de decisão não deve ser precipitada e os riscos e benefícios devem ser muito bem avaliados.

É crescente a quantidade de empresas que analisam a possibilidade de adoção da computação nas nuvens, por conta da flexibilidade de gestão que o ambiente proporciona.

No início se falava em nuvens públicas, cujos equipamentos, infraestrutura e aplicações são compartilhados por milhares de usuários em todo o mundo, por intermédio da internet. Um bom exemplo de nuvem pública é o que o Google implementa, com servidores instalados em vários lugares do mundo.

Hoje, se fala muito em nuvens privadas, ambiente dentro da própria empresa, com segurança maior, e com acesso restrito a pessoas autorizadas, geralmente funcionários. No entanto, as nuvens privadas também têm sua dose de desafios e eles não estão restritos apenas à segurança. A dificuldade de gerenciar pode ser uma barreira, sem contar com a preparação necessária para migrar os ambientes tradicionais de TI para cloud computing.

Para o usuário, deve ser transparente o fato de a nuvem ser pública ou privada. Uma das desvantagens das nuvens públicas sobre as nuvens privadas é por não fornecerem a segurança e a privacidade de informações que muitas empresas necessitam.

Na perspectiva de muitos gestores de TI, a nuvem equivale a uma solução de virtualização. Normalmente, o que dizem ser um projeto de cloud computing nada mais é do que uma estrutura virtual, ou seja, com os equipamentos e sistemas compartilhando recursos sob demanda. Virtualização e nuvem, no entanto, são coisas distintas.

Vejamos alguns benefícios e riscos da computação em nuvens:

Benefícios:

  • A computação em nuvem pode ser mais uma ferramenta nas mãos da equipe de TI, ajudando a suprir as necessidades do negócio de forma criativa, mais rápida e eficiente, especialmente se unida aos recursos internos de datacenter.
  • A computação em nuvem oferece o potencial para recursos variáveis de computação, permitindo que as empresas diminuam os gastos da área de TI para o essencial e fiquem mais confiantes para enfrentar demanda de pico.
  • Mais rapidez para as ofertas do mercado com potenciais vantagens de estratégia, com baixo custo total como vantagem operacional crítica.

Riscos:

  • Algumas cargas de trabalho não têm sentido em computação em nuvem. As equipes de TI precisam estar preparadas para mudar a organização e as habilidades necessárias, mas também manter a empresa longe das estratégias de risco.
  • Interrupções e perda de dados são os maiores riscos. A nuvem requer novos relacionamentos com fornecedores, entendimento absoluto da segurança oferecida e mais ênfase no monitoramento da experiência do usuário final.

À medida que a computação em nuvem evolui, como todo caso de implantação de tecnologias recentes, as empresas se deparam com questões pouco exploradas, como a necessidade de integrar os diferentes ambientes de TI. Isso porque, as perspectivas são de que as corporações atuem, cada vez mais, com modelos híbridos, uma união entre nuvem pública e nuvem privada, nos quais sistemas instalados no datacenter da companhia conversem com fornecedores terceirizados e com provedores de cloud computing.

Conclusão

A computação em nuvem está em estágio inicial de adoção e conforme ela vai ganhando espaço, soluções aparecerão para os problemas atuais. Os líderes de TI devem antecipar como ela poderá mudar a TI, as habilidades necessárias e as relações de negócio a fim de extrair todo o potencial oferecido pela nuvem.

__________________________________________

OBS: Este artigo foi escrito como trabalho a ser entregue na disciplina Gestão de Tecnologia da Informação do curso de Inteligência de Negócios da Faculdade de Tecnologia de Jaú – FATEC.

Referências

Obrigado e até mais!

Anúncios